sexta-feira, 27 de outubro de 2017

ARQUIVO: General Lemos Ferreira recorda encontro nos céus 50 anos depois

Imagem relacionada

Um dos avistamentos de Objectos Voadores Não Identificados (OVNIs) que continua a fazer história teve lugar a 04 de Setembro de 1957 com um conjunto de militares da Força Aérea Portuguesa que voava sob o comandado do então capitão José Lemos Ferreira.

Cinquenta anos depois, o general retirado descreveu à agência Lusa o encontro de "cerca de 35 minutos" ocorrido "durante um voo de treino de navegação de quatros aviões F-84G entre a Ota e as cidades espanholas de Córdova e Cáceres".

"Estávamos por cima de Córdova, a uns nove mil metros de altitude, quando vimos, ligeiramente acima da linha do horizonte, algo diferente do habitual: não era uma estrela, um astro ou um cometa, era uma espécie de esfera amarelada", recordou.

"Eu tinha um avião à minha direita e dois à minha esquerda, tendo recorrido à interfonia para partilhar impressões sobre o que estávamos a ver, sem conseguirmos chegar a nenhuma conclusão", acrescentou.

Mas o espanto ainda estava no início, pois "após uns minutos, o objecto entrou em sucessivas expansões e retracções, passando da forma esférica amarela a uma grande bola colorida, como se fosse um berlinde dos miúdos mas de enormes dimensões".

"Inicialmente ficámos na dúvida se a diferença de tamanho se devia à nossa aproximação mas depois vimos que o objecto estava realmente a variar de dimensões. Era como se, em segundos, se transformasse de uma bola de bilhar numa bola de basquetebol", contou.

Quando os aviões já iam na direcção de Cáceres, cidade espanhola que não chegaram a sobrevoar, deu-se a mais significativa das alterações, "pois a esfera multicolor tornou-se numa espécie de salsicha mordiscada na periferia e mudou de cor para um vermelho intenso, deslocando-se para baixo da linha do horizonte".

Eram quase 22:00 e o grupo não sabia o que pensar, "sobretudo ao ver que quatro pequenas esferas amareladas como a inicial se destacavam do primeiro objecto e se posicionavam em torno deste", revelou Lemos Ferreira.

Resultado de imagem para general lemos ferreira

"Quando nos dirigíamos à Ota, um dos pilotos teve a sensação de que as esferas vinham sobre nós, pois deslocavam-se na nossa direcção a uma enorme velocidade", descreveu o também ex-Chefe de Estado Maior da Força Aérea, acrescentando que "os aviões dispersaram para evitar uma possível colisão e, quando voltaram a reunir-se, já não foi possível ver mais nada".

Lemos Ferreira, que é também ex-Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas assinalou à Lusa que "naquela época os OVNIs não eram objecto de conversa na Força Aérea", pelo que nenhum dos elementos do grupo "imaginara que um encontro daqueles pudesse acontecer", tendo sido feito um relatório conjunto "que a Força Aérea deve ter remetido à NATO".

Sem querer avançar hipóteses concretas sobre o sucedido, o militar na reforma revelou que "no dia e à hora em que isto aconteceu, dois ou três oficiais que eram caçadores viram, na zona de Coruche, onde os aviões começaram a baixar, uma dança de luzes no céu".

Também um oficial que estava na Ota mas estudava em Coimbra contou a Lemos Ferreira que o Instituto Geofísico de Coimbra detectara, em simultâneo com o encontro, "variações significativas no campo magnético terrestre".

Apesar destas coincidências, o general considera que "estabelecer uma relação seria especular" e conclui: "A verdade é que, tendo milhares de horas de voo, como tripulante e como passageiro, nunca vi mais nada".

Fonte: RTP Noticias

Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...