segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Reescrevendo a história: Eclipse bíblico lança nova luz sobre os faraós

Reescrevendo história: o eclipse bíblico lança nova luz sobre os faraós

Um evento misterioso mencionado na Bíblia foi realmente o mais antigo eclipse solar já registado, descoberto num novo estudo de Cambridge. A revelação pode ajudar a reescrever as datas dos faraós egípcios, incluindo o famoso Ramesses II.

O evento celestial descrito no Livro do Antigo Testamento de Joshua tem sido um enigmático estudo há séculos. Na Bíblia King James, depois que Josué levou os israelitas a Canaã - uma terra que agora está em parte em Israel actual e na Palestina - ele rezou: "Sol, fique parado em Gibeão e Lua, no Vale de Aijalon".

"E o Sol parou e a Lua parou, até que a nação se vingasse de seus inimigos", continuou a passagem. Agora, pesquisadores de Cambridge dizem que a frase refere-se a um antigo eclipse solar que ocorreu a 30 de outubro de 1207 BC, quando o faraó Merneptah estava travando a guerra contra o povo de Israel em Canaã.

Se a passagem descrevesse uma observação real, "então aconteceu um grande evento astronómico", escreveu o professor Sir Colin Humphreys e Graeme Waddington, co-autores do estudo publicado no jornal "Astronomia e Geofísica" . 

"As traduções de inglês moderno, que seguem a tradução de King James de 1611, geralmente interpretam esse texto como significando que o sol e a lua pararam de se mover", diz o estudo. Mas, analisando um texto original hebraico, forneceu uma interpretação alternativa - que o sol e a lua "deixaram de fazer o que eles costumavam fazer: pararam de brilhar".

O texto hebraico poderia estar referindo-se a um eclipse solar, "quando a lua passa entre a terra e o sol, e o sol parece parar de brilhar", explicam Humphreys e Waddington. Para definir uma data exacta do eclipse, eles desenvolveram um "código de eclipse" que calculou os dados da rotação da Terra.

Usando o "código do eclipse", os pesquisadores de Cambridge descobriram que o único eclipse anular visível da terra de Canaã naquela época - entre 1500 e 1050 AC - era aquele na tarde de 30 de outubro de 1207 AC.

Além da Bíblia, Humphreys e Waddington fizeram uso do Merneptah Stele, um grande bloco de granito agora mantido no Museu Egípcio no Cairo. O Stele diz que foi inscrito no quinto ano no reinado de Merneptah, filho de Ramesses II. Menciona uma campanha em Canaã em que Merneptah derrotou os israelitas, sugerindo que eles deveriam ter estado em Canaã pelo quinto ano de Merneptah.

A descoberta "permite-nos rever alguns anos a cronologia egípcia comum", disseram os cientistas. "Usando esses novos cálculos, o reinado de Merneptah começou em 1210 ou 1209 AC ... significaria que Ramesses o Grande reinou 1276-1210 AC, com uma precisão de mais ou menos um ano, as datas mais precisas disponíveis".

O poderoso Faraó Ramesses II liderou várias campanhas no Oriente Médio e foi construído extensivamente pelo Egipto. Há relatos de estátuas em sua honra e os restos de palácios e templos. Merneptah, o décimo terceiro filho de Ramsés, assumiu apenas o trono porque todos os seus irmãos morreram; Ele governou o antigo Egipto durante quase 10 anos até à sua morte.

Esta não é a primeira vez que a Bíblia e a Estela de Merneptah foram usados ​​até os antigos eclipses solares. No entanto, ao contrário de Humphreys e Waddington, estudos anteriores apenas analisavam os eclipses totais, não considerando um eclipse anelar, em que a lua passa directamente em frente ao sol, mas está muito longe para cobrir completamente o disco. O eclipse anelar é muitas vezes distinguido pelo "anel de fogo" em torno da lua escurecida.

Fonte: RT

Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...