segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Os radares da Força Aérea Portuguesa - O Big Brother dos Céus de Portugal

Missão
Garantir a prontidão dos meios de vigilância e deteção.


Estação de Radar Nº 1
Monchique

História
A Estação de Radar N.º1, localizada na Serra de Monchique, mais precisamente no pico da Fóia, a 902 metros de altitude, constituiu-se a partir do Decreto nº 47 824 de julho de 1967 onde se definem "... as zonas que constituem servidão militar a favor das futuras instalações técnicas do Grupo de Deteção, Alerta e Conduta da Interceção da Força Aérea Portuguesa na Fóia."
Estação de Radar Nº 2
Paços de Ferreira

História
A Esquadra de Deteção e Conduta da Interceção N.º12, nasceu como Unidade de Defesa Aérea do então chamado Sistema de Alerta, mais tarde designado por GDACI (Grupo de Deteção, Alerta, Controlo de Interceção).Dependeu do Comando do GDACI até à extinção deste, em 1975, passando, desde então a depender diretamente do Comando Operacional da Força Aérea. Muito embora se reporte o dia da Unidade a 15 de setembro de 1958, por se tratar da data a partir da qual se iniciou o trabalho operacional da Estação de Radar do Pilar, os primórdios da Esquadra remontam ao início do ano de 1957, mais propriamente a 7 de janeiro, dia em que os primeiros militares e com eles aquele que viria a ser o seu primeiro Comandante, chegaram à Vila de Paços de Ferreira, ficando alojados na única pensão então existente.
Estação de Radar Nº 3
Lamas – Cadaval 

História

Os trabalhos de construção da primeira Estação de Radar da Força Aérea em Montejunto, foram iniciados em 1953, tendo esta entrado em regime experimental em 19 de julho de 1954 com o radar móvel AN TPS 1D fabricado pela Wester Electric, e em funcionamento regular em 1955, conjuntamente com o Centro de Operações de Setor de Monsanto.
Posteriormente, em 1961, foi substituído o primeiro radar altimétrico por outro mais moderno e de maior alcance, acontecendo o mesmo ao radar planimétrico em 1965 Dez anos mais tarde, com a extinção do GDACI, a Esquadra de Deteção e Conduta de Interceção Nº 11 (EDCI Nº 11), uma subunidade, transforma-se em Unidade, passando a depender diretamente do Comando Operacional da Força Aérea em Monsanto e o COS transformou-se no Centro de Operações de Defesa Aérea.
Como o sistema começava a ficar obsoleto e inadequado aos novos requisitos de Defesa Aérea, no início dos anos 90 dá-se o início da implementação do Sistema de Comando e Controlo Aéreo de Portugal.
Estação de Radar N.º 4
Pico do Arieiro, Arquipélago da Madeira




Arquipélago dos Açores

Neste arquipélago não existe Radares Militares Portugueses, somente da USAF.

Radar meteorológico da Terceira, Açores
O IM tem nos Açores acesso a um NEXRAD (WSR-88D) da Força Aérea Americana, na Ilha Terceira. Está na Serra de Santa Barbara, por volta dos 1000 metros de altitude.
E claro, apenas o IM tem acesso, não é público, e apenas serve bem o grupo central, os restantes grupos já ficam no limite do alcance.
Contudo alguns radares americanos fora dos EUA tem as imagens disponíveis ao público, alguns exemplos.

Base das Lajes


O actual Radar



Fonte: Diversas

Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...