quinta-feira, 2 de novembro de 2017

A CHINA ESTÁ CONSTRUINDO SUA PRÓPRIA VERSÃO DO CERN: DUAS VEZES O TAMANHO E 7 VEZES MAIS PODEROSO


A China pretende construir a maior e mais poderosa máquina já construída pela humanidade, um super-colisor do dobro do tamanho do CERN num esforço para finalmente entender o universo e sua composição.

O reinado do acelerador de partículas mais poderoso do mundo, o LHC, o Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN) na Suíça, pode estar chegando ao fim, e não, não vai obliterar o nosso mundo e criar um enorme buraco negro em nosso sistema solar ... ainda.

A China está realmente planeando construir um acelerador massivo de partículas, que medeia mais do que o dobro do que o CERN mede. A versão chinesa do CERN medirá entre 50 e 100 quilómetros e seria até sete vezes mais poderoso que o LHC na Suíça.

Segundo o China Daily , a nova instalação seria capaz de produzir milhões de bosões de Higgs, muitos mais do que o acelerador europeu, onde a partícula do bosão de Higgs foi descoberta em 2012.

A gigantesca máquina está actualmente em estágios de planeamento e a construção deverá começar em 2021.

"Completamos o projecto conceptual inicial e a revisão internacional organizada pelos pares, e o projecto conceptual final será concluído até o final de 2016", disse Wang Yifang, director do Instituto de Física de Alta Energia da Academia Chinesa de Ciências, ao China Daily numa entrevista exclusiva.

O Instituto de Física de Alta Energia já controla as maiores instalações da Física de Alta Energia na China: o Colisor de Pequenos Electrónicos e Neutrino Detector Daya Bay.

Mas os cientistas querem mais "suco" e propuseram uma tarefa muito mais ambiciosa, para construir um novo acelerador sete vezes o poder do LHC europeu.

Embora o LHC tenha conseguido encontrar todas as partículas previstas pelo Modelo Padrão de Física de Partículas (a teoria que prediz todos os constituintes da matéria comum), ainda há muitas coisas no universo que precisam de explicação.


Olhando para o quadro maior, matéria comum, que dá origem a estrelas e galáxias, é responsável apenas por um magra de 4,5% da massa total do universo.

Outros 23% são constituídos por outro tipo misterioso de matéria invisível (matéria escura) e os restantes 72,5% por uma forma ainda mais misteriosa de energia, energia escura.

É por isso que muitos cientistas concordam que uma nova forma de nova física está aguardando o "outro lado" do Modelo Padrão, e para abordá-lo, precisamos de uma máquina muito mais poderosa do que o que hoje temos na Terra.

O Modelo Padrão de física de partículas, por exemplo, não oferece uma explicação para a gravidade, que é uma das quatro forças fundamentais da natureza.

Além disso, não diz nada sobre as observações astronómicas que demonstraram a existência da matéria escura, que não emite nenhuma radiação (assim não podemos vê-la) e que se relaciona com o resto do universo precisamente através da gravidade.

O modelo também não explica por que a matéria prevaleceu sobre a antimotria no início do universo e, para piorar as coisas, a pequena massa do bóson de Higgs sugere que a questão de que todos somos constituídos é fundamentalmente instável.

Ler mais AQUI

Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...